Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Bioética por Mind Map: Bioética

1. Introdução à Epistemiologia

1.1. Teoria do conhecimento

1.1.1. Três formas básicas do conhecimento:

1.1.1.1. Proposicional

1.1.1.1.1. Saber que algo é do jeito que é. Conhecimento de fatos. Ex.: 2+2=4

1.1.1.1.2. Como saber se algo é?

1.1.1.1.3. Robert Nozick: Conhecimento proposicional: Sujeito tem que acreditar em algo; Sujeito tem que ter justificativas para acreditar em algo; Esse algo tem que acontecer de fato, ou seja, ser verdadeiro.

1.1.1.1.4. Edmund Gettier: Critica à necessidade de justificas a crença verdadeira para que esta seja considerada conhecimento.

1.1.1.2. Know-how

1.1.1.2.1. Saber fazer algo. Ex.: Saber fazer um bolo.

1.1.1.3. Familiaridade

1.1.1.3.1. Conhecer algo por experiência prévia. Ex.: Conhecer e estar familiarizado com a sua faculdade.

1.2. 3 Formas do conhecimento humano

1.2.1. Doxa

1.2.1.1. Opinião espontânea ligada a experiência cotidiana, senso comum.

1.2.2. Sofia

1.2.2.1. Conhecimento cultivado ao longo do tempo através de diversas experiências em determinado assunto.

1.2.3. Episteme

1.2.3.1. Conhecimento gerado através de estudos metódicos, utilizando lógica ou experimentos empíricos.

1.3. Formas de conhecer o mundo

1.3.1. Senso comum

1.3.2. Artes

1.3.3. Religião

1.3.4. Ciência

1.4. Filosofia

1.4.1. Ética

1.4.1.1. Metaética

1.4.1.2. Ética Normativa

1.4.1.3. Ética aplicada

1.4.1.3.1. Aplicar as regras ditadas pelos modelos explicativas em situações cotidianas.

1.4.2. Bioética: Ética relacionada a assuntos que tratam do começo, meio e fim da vida. É de suma importância que um profissional da saúde como um Biomédico saiba como utilizar da ética e da moral para lidar com as situações do cotidiana que envolvam pessoas.

2. Interelações: Ética, Moral e Direito

2.1. Ética

2.1.1. Conjunto de regras que guiam os comportamentos dos indivíduos para evitar conflitos de interesse.

2.1.2. É divida em Metaética, Normativa e Prática.

2.1.3. Bases para avaliação de uma posição ética:

2.1.3.1. Imperativo Kantiano

2.1.3.1.1. São espécies de "Mandamentos", regras que devem ser seguidas se a pessoa deseja viver de uma maneira ética.

2.1.3.2. Dever

2.1.3.2.1. Dever Prima-face, são deveres válidos a menos que entrem em conflito entre eles. Ex.: princípios do Principialismo.

2.1.3.2.2. A necessidade objetiva de uma ação por obrigação. Geralmente está relacionada com a intenção de manter uma conduta ética.

2.1.3.3. Princípio do Duplo efeito

2.1.3.4. Modelos teóricos para tomada de decisão. Ex.: Principialismo e Utilitarismo.

2.2. Direito

2.2.1. Sistema de normas e condutas impostas através de uma Constituição; Tem caráter Obrigatório; É renovada rapidamente dependendo das mudanças nos contextos sociais; É restrita geograficamente.

2.2.2. Direito civil: baseia-se no respeito às leis impostas pelo código civil, que tem certa flexibilidade para melhor se adequar a cada caso.

2.2.3. Common Law: baseia-se na Jurisprudência, em que o Juiz tem o poder de tomada de decisões; casos anteriores e semelhantes podem ser levados em consideração para auxiliar no veredito.

2.3. Moral

2.3.1. São regras que regem o comportamento de um indivíduo para um melhor convívio social, por isso a moral existe essencialmente em sociedade; Não são de caráter compulsório; Não se restringem geograficamente; Geralmente, as mudanças morais ocorrem mais lentamente ao longo das mudanças nas dinâmicas sociais.

2.4. Religião

2.4.1. Baseia-se na crença em uma entidade divina; Existem duas visões sobre a relação entre a ética e a religião: a- a ética como fundamento da religião devido ao conceito de sacralidade da vida. Nesse caso, as decisões devem envolver apenas o indivíduo ou sua família. b- a ética deve ser exercida em uma perspectiva não-religiosa. Isso se aplica em questões que envolvem a sociedade como um todo, como a questão da legalização do aborto.

2.4.2. toda ação tem reações, algumas positivas outras negativas. Tenta-se fazer a ação que vai ter mais positivos que negativos.

2.5. Pontos em comum:

2.5.1. Buscam manter o bem estar das pessoas que vivem em sociedade.

3. Modelos Explicativos em Bioética

3.1. Modelos para tomada de decisões

3.1.1. Regras que devem dizer como as pessoas devem agir em determinadas situações; Se utiliza dos modelos explicativos como o Principialismo e o Utilitarismo.

3.1.2. Principialismo

3.1.2.1. Beauchamp e Childress: A ação eticamente adequada é aquela que se orienta por princípios morais universalmente aceitos.

3.1.2.2. Princípios Fundamentais

3.1.2.2.1. Autonomia: respeitar a vontade do paciente (Bioética). Para ter autonomia, a pessoa necessariamente deve ser livre para tomar essa decisão e estar em condições para tal.

3.1.2.2.2. Não maleficência: Não fazer mal.

3.1.2.2.3. Beneficência: Fazer o bem.

3.1.2.2.4. Justiça: equidade: tratá-las igualmente; levar em consideração seus contextos para então fazer algo; fazer algo levando em conta o mérito da pessoa; fazer algo pensando na contribuição da pessoa à sociedade; sorteio.

3.1.2.3. Mas e quando há conflito entre esses princípios? (Abordagens do Principialismo)

3.1.2.3.1. Aplicação: Decidir a ação baseando-se diretamente no princípio moral.

3.1.2.3.2. Balanceamento: Os princípios não tem uma hierarquia, a priori, porém em casos de conflitos entre eles, uma prioridade deve ser estabelecida entre eles.

3.1.2.3.3. Especificação: Ajustar a regra para que ela se adeque melhora à situação

3.1.2.4. Criticas ao Principialismo: falta de hierarquia entre os princípios, o que permite que haja esses conflitos.

3.1.3. Utilitarismo

3.1.3.1. O que faz uma ação ser correta ou não são suas consequências. A melhor ação é a que produz o máximo bem-estar.

3.1.3.2. Três conceitos HIERARQUIZADOS:

3.1.3.2.1. Consequencialismo

3.1.3.2.2. Máximo de bem-estar

3.1.3.2.3. Agregacionismo

3.1.3.3. Críticas ao Utilitarismo: suas premissas podem levar a ações não éticas. Ex.: Uma pessoa saudável ser morta para que seus órgãos possam salvar várias outras pessoas.

3.2. Ética do cuidar

3.2.1. A relação entre profissional da saúde e o paciente não são imparciais e por tanto as ações sobre o caso do paciente não devem ser feitas de maneira fria e imparcial.

3.2.2. Todas as facetas da situação devem ser analisadas para que algo seja feito.

3.2.3. Crítica à ética do cuidar: não pode ser aplicado em casos que medicas emergenciais são necessárias.