Gestão de Negócios

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Rocket clouds
Gestão de Negócios por Mind Map: Gestão de Negócios

1. Conceitos e objetivos de estudo da Administração

1.1. Primórdios da Administração

1.1.1. Regras de Administração Publica de Confucio

1.1.1.1. O Alimento

1.1.1.2. O Mercado

1.1.1.3. Os Ritos

1.1.1.4. O Ministério do Emprego

1.1.1.5. O Ministério da Educação

1.1.1.6. A Administração da Justiça

1.1.1.7. A Recepção dos Hóspedes

1.1.1.8. O Exército

1.1.2. Sócrates

1.1.3. Platão

1.1.4. Aristoteles

1.1.5. A Primeira Revolução Industrial (1780 a 1860)

1.1.5.1. 1ª fase: a mecanização da indústria e da agricultura, com a invenção do descaroçador de algodão, da máquina de fiar e do tear mecânico, que substituíram totalmente o trabalho direto do homem na produção de tecidos.

1.1.5.2. 2ª fase: a utilização da força da máquina a vapor na indústria, em que as máquinas passaram a implantar o componente (motor a vapor) que possibilitava que as pequenas oficinas se transformassem em fábricas, graças à capacidade das máquinas de manterem um ritmo de trabalho intenso e constante.

1.1.5.3. 3ª fase: com a substituição das pequenas oficinas por fábricas estruturadas e produtivas, onde o artesão dá lugar ao operário. Ocorre a intensa migração da população das áreas agrícolas para próximo das fábricas criadas.

1.1.5.4. 4ª fase: os transportes e as comunicações tornam-se fator determinante para a sustentação da Organização social implantada. Assim, surge a navegação a vapor, a locomotiva a vapor, o telégrafo elétrico, o selo postal e, finalmente, o telefone.

1.1.6. Segunda Revolução Industrial (1860 a 1914)

1.1.6.1. o desenvolvimento dos primeiros estudos das práticas administrativas, que tiveram início com o trabalho de Frederick Taylor (1856-1915) com o nome Os Princípios da Administração Científica (1911)

1.1.6.2. o surgimento da indústria automobilística de Henry Ford

1.2. A Sociedade Organizacional

1.2.1. A Igreja Católica

1.2.2. Organizações Militares

1.2.3. Frederick Taylor e Henry Ford

1.2.4. Pierre du Pont e Alfred Sloan

1.2.5. Organizações Governamentais

1.2.6. Organizações Empresariais

1.2.7. Organizações do Terceiro Setor

1.3. Modelos de Organização

1.3.1. No Modelo Mecanicista, as organizações procuram imitar o funcionamento automático das máquinas. Os bancos com seus regulamentos e suas estruturas altamente especializadas são exemplos.

1.3.2. O Modelo Orgânico afasta-se desse conceito, e as organizações procuram imitar o comportamento dinâmico dos organismos vivos. Uma equipe esportiva durante um jogo e um centro acadêmico são exemplos.

1.3.3. Mintzberg

1.3.3.1. Organização empresarial

1.3.3.2. Organização máquina

1.3.3.3. Organização profissional

1.3.3.4. Organização diversificada

1.3.3.5. Organização inovadora

1.3.3.6. Organização missionária

1.3.3.7. Organização política

2. Bases Históricas da Administração

2.1. Abordagem Clássica da Administração

2.1.1. Frederick W. Taylor e sua Teoria da Administração Científica

2.1.1.1. O estudo da fadiga humana

2.1.1.2. A divisão do trabalho e a especialização do operário

2.1.1.3. O desenho de cargos e tarefas

2.1.1.4. Os incentivos salariais e prêmios de produção

2.1.1.5. As condições ambientais de trabalho, iluminação e conforto

2.1.1.6. Padronização dos métodos e das máquinas

2.1.1.7. Supervisão funcional

2.1.2. Henry Fayol e a Teoria Clássica

2.1.2.1. Divisão do trabalho

2.1.2.2. Autoridade e responsabilidade

2.1.2.3. Disciplina

2.1.2.4. Unidade de comando

2.1.2.5. Unidade de direção

2.1.2.6. Subordinação do interesse particular ao geral

2.1.2.7. Remuneração justa do pessoal

2.1.2.8. Centralização

2.1.2.9. Cadeia escalar

2.1.2.10. Ordem

2.1.2.11. Equidade

2.1.2.12. Estabilidade e duração (num cargo) do pessoal

2.1.2.13. Iniciativa

2.1.2.14. Espírito de equipe

2.2. A Escola das Relações Humanas e a Abordagem Comportamentalista

2.2.1. A Escola das Relações Humanas

2.2.2. A Abordagem Comportamental

2.2.2.1. Ciência Comportamental

2.2.2.2. Necessidade fisiológica

2.2.2.3. Necessidade de segurança

2.2.2.4. Necessidade de associação

2.2.2.5. Necessidade de estima

2.2.2.6. Necessidade de autorrealização

3. Novas Abordagens de Gestão Organizacional

3.1. Principais Representantes e Visão Crítica da Abordagem Estrutural

3.1.1. Origem e Características da Abordagem Estruturalista

3.1.1.1. Principais Representantes e Visão Crítica da Abordagem Estrutural

3.1.1.1.1. Modelo Burocrático de Merton

3.1.1.1.2. Modelo Burocrático de Selznick

3.1.1.1.3. Classificação de Organização Segundo Etzioni

3.1.1.1.4. As Críticas de Thompson

3.2. Abordagens Recentes da Administração: Sistêmica, Contingencial e Gestão pela Qualidade

3.2.1. sistêmica

3.2.2. contingencial

3.2.3. qualidade

3.2.4. A Teoria Geral de Sistemas

3.2.4.1. Limites ou Fronteiras – as barreiras existentes entre a organização e o restante do ambiente, que a cerca externamente.

3.2.4.2. Sistema Fechado - é aquele que não interage com o ambiente externo. Parte do pressuposto que os limites ou fronteiras existentes na organização podem impedir a interação do sistema com o ambiente. Realmente, poucos sistemas assumem esta forma; algumas das abordagens clássicas trataram a organização como sistemas fechados.

3.2.4.3. Kwasnicka

3.2.4.3.1. Subsistemas - são partes componentes de um sistema maior. Áreas de uma empresa que desenvolvem processos complementares para a operação da organização são exemplos organizacionais de subsistemas em ação. Como por exemplo, o setor de logística, que deve atuar em conjunto com a área de gestão de pessoas, juntamente com o departamento comercial.

3.2.4.3.2. Equifinalidade - O conceito diz que muitos caminhos conduzem ao mesmo resultado; percebe-se uma clara diferença da abordagem clássica que preconizava na administração científica (aquela do Taylor), que existiria uma melhor maneira que deveria ser buscada. Atualmente, no mundo da gestão, é comum a busca por alternativas para atuação de modelos tradicionais de negócios, que devem se adaptar à realidade concreta de diversas regiões do mundo. Esse é um caso que nos dá demonstração concreta da utilidade do conceito de equifinalidade em detrimento do modelo fixo proposto na melhor tradição da administração científica.

3.2.4.3.3. Sinergia - é o conceito que afirma ser o “todo” maior do que a simples soma das partes. Por exemplo, muitos hotéis do nordeste incorporaram uma série de serviços além dos tradicionais em hospedagem, tais como transporte, shows, centro de convenções, atuando muito mais do que como resorts e transformando-se em centros de entretenimento.

3.2.5. O Enfoque Contingencial

3.2.6. Gerenciamento da Qualidade

3.3. As Organizações no Ambiente Globalizado

3.3.1. Pressões induzem a integração global

3.3.2. Pressões competitivas para a redução de custos

3.3.3. Pressões que induzem a uma resposta local

3.4. Estratégias de Internacionalização

3.4.1. Exportação

3.4.2. Licenciamento

3.4.3. Franquias

3.4.4. Joint Ventures