Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Rocket clouds
Vertebrados por Mind Map: Vertebrados

1. Reptéis

1.1. Etimologia: a palavra réptil vem do latim ”reptare” que significa rastejar. Principais representantes: crocodilos, jacarés, lagartos, cobras, tartarugas, camaleão, lagartixa, etc. Aspecto evolutivo: Foram os primeiros vertebrados a conquistar, com sucesso e definitivamente, o ambiente terrestre. Mas não foram os anfíbios os primeiros vertebrados a conquistarem o ambiente terrestre? Que características possibilitaram a conquista definitiva do ambiente terrestre? Respiração: exclusivamente pulmonar. Ovo com casca: este fator funciona como proteção contra o ressecamento. Revestimento corporal: sua pele é seca, impermeável, sem glândulas que eliminam água e revestida por grossas escamas que protegem contra a desidratação. Fecundação interna: gametas inseridos no interior do corpo da fêmea. Não possuem fase larval aquática (girino). Por estas características estes seres podem viver, inclusive, em regiões extremamente secas, como desertos.

1.2. Anatomia: a maioria são tetrápodes quadrúpedes. Patas: apresentam dois pares de membros locomotores, cada um tipicamente com cinco dedos que terminam em garras. As patas podem ser adaptadas para correr, rastejar, nadar ou escalar. Tartarugas marinhas: patas semelhantes a remos para facilitar a natação. Lagartos: patas reduzidas possibilitando maior agilidade na locomoção Cobras: ausência de patas. Reprodução: sexuada. Determinação sexual: são seres dioicos (sexos separados). Fecundação: interna. Desenvolvimento embrionário: podem ser ovíparos (externo), vivíparos (interno) ou ovovivíparos (interno). Tipo de respiração: exclusivamente pulmonar. Controle de temperatura: ectotérmicos. Necessitam do calor externo para regulação da temperatura corporal, por isso, são encontrados, geralmente, em regiões tropicais. Ciclo de vida: não sofrem metamorfose e os filhotes, quando eclodem dos ovos, assemelham-se aos adultos.

2. Anfíbios

2.1. Representantes: sapos, rãs, pererecas, salamandras, cecílias, etc. Evolução: os anfíbios foram os primeiros vertebrados a conquistar o ambiente terrestre, porém, não de forma definitiva. A evolução ocorreu a partir dos peixes dipnoicos ou pulmonados (Tiktaalik roseae). Vantagem: possuem menor dependência da água em relação aos peixes, no entanto, não são verdadeiramente terrestres, tendo a necessidade de viver em locais úmidos, mesmo na fase adulta, pelos seguintes motivos: Possuem fecundação externa (precisa obrigatoriamente acontecer na água). Possuem respiração pulmonar, mas, também cutânea (para isto a pele precisa estar úmida). Seus ovos não possuem casca (ressecariam fora da água). Possuem fase larval aquática (girino respira por brânquias). Ciclo de vida: a palavra anfíbio significa ciclo de vida dividido em duas fases, uma aquática e outra terrestre (existem exceções). Tipos de respiração: branquial (fase larval), pulmonar e cutânea (fase adulta).

2.2. Defesa: presença de glândulas paratóide nos sapos. Reprodução: sexuada Determinação sexual: são seres dioicos (sexos separados). Fecundação: externa. Desenvolvimento embrionário: externo (ovíparos). Controle de temperatura: ectotérmicos. Pele: bastante vascularizada (com muitos vasos sanguíneos) e umedecida (lembre-se que eles também respiram pela pele).

3. Peixes

3.1. Cartilagenósos

3.1.1. representantes: tubarão (cação), raia e quimera. Esqueleto: formado exclusivamente por cartilagem. Fendas branquiais: estrutura de proteção das brânquias. Podem estar presentes na lateral ou na parte ventral do corpo do animal. Proteção: membrana nictitante para proteção dos olhos. Órgão reprodutor: nadadeiras modificadas (clásper). Reprodução: sexuada. Determinação sexual: são seres dioicos (sexos separados). Fecundação: interna. Desenvolvimento embrionário: podem ser ovíparos, vivíparos ou ovovivíparos (estratégia: não precisam produzir grande número de ovos e os filhotes já nascem num tamanho que lhes permite se alimentar e se defender). Ecologia: promovem o controle biológico através da predação, reduzindo a abundância de outras espécies marinhas. Comportamento: alguns tubarões podem ser canibais, se alimentando inclusive das próprias crias e uns dos outros.

3.2. Ósseos

3.2.1. Abundância: grupo de vertebrados com maior número de representantes. Esqueleto: composto quase que totalmente por ossos. Proteção: opérculo (estrutura óssea que protege as brânquias). Bexiga natatória: este órgão auxilia no controle da profundidade (ausente nos peixes cartilaginosos). Reprodução: sexuada. Determinação sexual: são seres dioicos (sexos separados). Fecundação: geralmente externa. Desenvolvimento embrionário: ovíparos (externo) ou vivíparos (interno). Alevino: nome dado a forma juvenil (filhotes). Estratégia de reprodução: alguns peixes de água doce realizam o fenômeno da piracema, isto é, sobem os rios na época da reprodução, como estratégia para a fecundação externa.

3.3. Características gerais do grupo: exclusivamente aquáticos,são ectotérmicos,possuem membros transformados em nadadeiras. Ausentes em alguns grupos. Exemplo: Moreia. a respiração exclusivamente branquial (exceto nos peixes dipnoicos ou pulmonados). possuem linha lateral formada por poros que captam vibrações na água. Possuem glândulas produtoras de muco espalhadas pelo corpo. Esta substância os torna hidrodinâmicos, ou seja, facilita a mobilidade na água.

3.4. Nadadeiras: Opérculo (brânquias) Linha lateral Nadadeira dorsal Nadadeira adiposa Pedúnculo caudal Nadadeira caudal Nadadeira anal Photophores (órgão emissor de luz) Nadadeiras pélvicas (duplas) Nadadeiras peitorais (duplas)

4. Conceito

4.1. Os vertebrados constituem um grupo de animais com características exclusivas, como: Presença da coluna vertebral segmentada,caixa craniana,Simetria bilateral,Reprodução sexuada,Sistema nervoso central, formado pelo cérebro e pela medula espinal, localizados dentro da parte central do esqueleto (crânio e coluna vertebral).

5. Áves

5.1. Evolução: ocorreu a partir dos dinossauros tetrápodes bípedes (répteis) durante o período Jurássico, por volta de 150-200 milhões de anos atrás, e a primeira ave conhecida é o Archaeopteryx.

5.2. Habitat: todos os ecossistemas do globo terrestre, do Ártico à Antártica.

5.3. Características anatômicas:

5.4. Todas são tetrápodes bípedes.

5.5. Possuem bico.

5.6. Seus ossos são do tipo pneumáticos.

5.7. Possuem penas recobrindo o corpo e asas.

5.8. Parte interna do corpo com sacos aéreos.

5.9. Ausência de bexiga urinária.

5.10. Presença da quilha.

5.11. Presença de glândula uropigial.

5.12. Reprodução: sexuada.

5.13. Determinação sexual: são dioicos (sexos separados), geralmente, com dimorfismo sexual.

5.14. Fecundação: interna.

5.15. Desenvolvimento embrionário: externo (ovíparas).

5.16. Controle de temperatura: são endotérmicos, ou seja, possuem mecanismos para controlar a temperatura corporal.

5.17. Tamanho: muito variado, do Mellisuga helenae com 5 centímetros de altura ao avestruz (Struthio camelus) de 2,75 metros.

5.18. Aves ratitas: constituem um grupo que perdeu a capacidade de voar. Exemplos:

5.19. Pinguim, Emu, Avestruz, Quivi, Dodô, Ema, Casuar.

6. Mamíferos

6.1. Em relação a reprodução, dividem-se em 3 grupos:

6.2. Monotremados, marsupiais e placentários.

6.3. Monotremados: Neste grupo incluem-se o ornitorrinco e o equidna, animais que põem ovos, semelhantes aos dos répteis, de onde nasce um minúsculo embrião que se desloca para uma bolsa, onde termina o seu desenvolvimento, lambendo leite produzido pela mãe, pois não existem mamilos (ao contrário do restante dos grupos).

6.4. Marsupiais: Neste grupo, onde se incluem os cangurus, entre outros, a fêmea possui uma bolsa abdominal (marsúpio), onde estão os mamilos e onde ocorre a maior parte do desenvolvimento dos filhotes. Os filhotes saem pelo canal vaginal (as fêmeas possuem dois) e escalam o corpo da mãe até a bolsa. Para ajudá-los, a fêmea lambe o caminho do canal vaginal até o marsúpio onde o filhote terminará seu desenvolvimento recebendo leite.

6.5. Caracteristicas

6.5.1. As características gerais do grupo são:

6.5.1.1. Características anatômicas:

6.5.1.1.1. Patas: tetrápodes, bípedes ou quadrúpedes (exceto cetáceos) com 5 dedos (ou menos) com garras, unhas, cascos ou almofadas carnudas e adaptadas para andar, correr, escalar, cavar, nadar ou voar.

6.5.1.1.2. Glândulas: presença de glândulas mamárias (produção de leite), glândulas sebáceas (lubrificam e impermeabilizam a pele e produzem substâncias odoríferas usadas na comunicação entre os animais) e glândulas sudoríparas (controle da temperatura).

6.5.1.1.3. Evolução: a partir dos répteis tetrápodes quadrúpedes.

6.5.2. Reprodução: sexuada, são dioicos, com fecundação interna e desenvolvimento embrionário, geralmente, interno (vivíparos). Alguns são ovíparos ou marsupiais.

6.5.3. Respiração: pulmonar.

6.5.4. Controle da temperatura: endotérmicos.

6.5.5. Superfície corporal: coberta por pelos.