Projeto Data Driven

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Projeto Data Driven por Mind Map: Projeto Data Driven

1. GRM

1.1. Falta de Gestão do ciclo de vida de produto/serviço

1.1.1. Informações de desempenho no mercado de cada produto e serviço. (custo, público alvo, projeção de mercado) e identificação dos canais de comunicação mais efetivos para esse público

1.2. Quais mercados devemos entrar?

1.2.1. Dados e informações sobre os setores industriais para direcionamento de serviços

1.3. Falta de atendimento

1.3.1. Informações sobre disponibilidades das unidades e escolas móveis e demandas do mercado

1.4. Queda na arrecadação

1.4.1. Análise de vendas e margem, em cada serviço da unidade, por região, segmento e clientes

1.5. Falta de padronização entre as unidades e estratégias de fidelização

1.5.1. Informações de negociações entre CRI e empresa e informações que embasem uma política de preços

2. GED

2.1. Qualificação de empresas do comitê setorial na avaliação de novos cursos

2.1.1. Informações sobre os setores de maior relevância no mercado e suas necessidades de capacitação

2.1.1.1. RAIS - Empresas que mais contratam determinada CBO

2.1.1.2. RFB

2.2. Avaliação de conteúdos dos cursos

2.2.1. Alinhamento com as capacitações requeridas para as vagas no mercado e avaliação dos alunos que fizeram o curso

2.2.1.1. RAIS - Acompanhamento dos Egressos (Levantamento de Dados Posteriores)

2.2.1.2. Linkedin

2.2.1.2.1. Indeed

2.3. Avaliação do desempenho dos cursos existentes

2.3.1. Números de matrículas e evasão com projeções

2.3.1.1. SGSET - Dados Alunos

2.3.1.2. SGSET - Dados Desempenho Escolar

2.3.1.3. RAIS

2.3.1.3.1. CAGED

2.3.1.4. PNAD

2.4. Análise da concorrência de cursos e Precificação

2.4.1. Identificação de regiões não atendidas e informações de custos e preços da concorrência

2.4.1.1. CPS

2.4.1.1.1. IFP

2.4.1.2. MEC - Censo

2.4.1.3. ABED

2.4.1.4. SIGA - TCTF

2.5. Acompanhar marcos regulatórios de cursos no Estado de São Paulo

2.5.1. Filtro para cada norma legal aplicável por curso com alertas de alteração

2.5.1.1. Diários Oficiais

2.5.1.2. Portarias

3. GIT

3.1. Acompanhamento da atuação das unidades em projetos tecnológicos e programas de fomento

3.1.1. Informações sobre projetos em andamento e futuros (prazos, atrasos, responsável, empresas e unidades)

3.1.1.1. Informações Internas acerca de Processos e Status de Tarefas

3.2. Identificação de tecnologias emergentes

3.2.1. Observatório com foresight tecnológico

3.2.1.1. Contratação Externa

3.2.1.2. Levantamento de Dados Primários

3.2.1.3. BNDES

3.2.1.3.1. FINEP

3.2.1.4. Web of Science

3.3. Monitoramento da capacidade e taxa de ocupação das equipes dos núcleos e institutos por região

3.3.1. Identificação de dados de horas demandadas para o atendimento atual, capacidade operacional, capacitação das equipes dos institutos e núcleos, taxa ocupacional por consultor e atuação do Senai SP em cada região

3.3.1.1. SAP - HCM

3.3.1.2. Escrituração de Projeto de Serviços Tecnológicos

4. GIS

4.1. Análise para Implementação de curso em um C.F.P.

4.1.1. Viabilidade da oferta de determinado curso em uma região (mercado potencial), bem como a necessidade de aquisição de novas máquinas e equipamentos para implementação da oferta, levando em consideração o patrimônio existente na unidade.

4.2. Gestão de Ativos

4.2.1. Mapeamento e categorização dos ativos em poder do SENAI em termos de intensidade de uso, custos de manutenção, vida útil e disponibilidade de uso.

4.3. Processos de Aquisições

4.3.1. Estruturar as necessidades de aquisições das escolas em um ambiente único e padronizado, que leve em consideração estoques pré-existentes e fluxos de desembolsos orçamentários.

4.3.1.1. Análise de Fornecedor - Lei 8666

4.4. Gestão de Parcerias (Convênios, Comodatos e Doações)

4.4.1. Visualização e Exploração de Contratos de Comodatos, Convênios, Doações e Demais Parcerias, com ênfase em vigência de cessão, dispersão geográfica e aplicação do ativo.

5. GPA

5.1. Gestão de Oferta das Escolas de Forma Integrada

5.1.1. Estratégia de Precificação de Cursos (Evitar movimentos concorrenciais entre C.F.P.s)

5.1.2. Ajuste de Oferta de Cursos nas Escolas SENAI com base em existência de cursos similares na região, dinamismo do mercado de trabalho, demanda da indústria e contribuição ao Sistema.

5.1.3. Estruturar Tabela de Recursos dos Cursos de Capacitação para analisar a viabilidade operacional e econômica de uma nova oferta.

5.1.4. Monitorar e ajustar a produção com o objetivo de atender às metas de gratuidade.

5.2. Gestão de Patrimônio

5.2.1. Visualizar disponibilidade de Ativos na rede SENAI com o objetivo de otimizar seu emprego.

5.3. Políticas de Avaliação

5.3.1. Obter dados de performance de alunos ao ingressarem nos cursos regulares do SENAI, com o intuito de enriquecer as avaliações de impacto conduzidas posteriormente.

5.3.2. Visualizar relação de alunos concluintes em cursos regulares de maneira clara e objetiva.

5.4. Planejamento de Execução Orçamentária

5.4.1. Antecipar necessidades de investimento em capital físico e contratações.

6. CRIs e Coordenadores de FIC Escola

6.1. Inexistência de informações claras e confiáveis acerca do histórico de atendimentos às empresas e evolução da carteira.

6.1.1. A falta de visão acerca desses dados acarreta em decisões intuitivas, pouco embasadas em dados. Necessidade de criar um acompanhamento desses grandes números.

6.2. Definição de Metas e Planejamento realizada de forma alheia à realidade geográfica ou setorial.

6.2.1. Elaborar metas a partir de tendências e cenários que contemplem o nível de atividade da região em que a escola atua, bem como o setor de maior interface. Acompanhar também o Realizado versus Planejado.

6.3. Inexistência/ Falta de Acesso às informações de demanda declarada, por produto e turno.

6.3.1. Compilar, Estruturar e Analisar informações geradas a partir do tráfego de visitantes em sites de escolas.

6.4. Impossibilidade de acompanhar dados operacionais, sobretudo financeiros, de modo confiável e em tempo real.

6.4.1. Acompanhar pagamentos de clientes e inadimplência e os respectivos impactos na operação.

6.5. Dificuldade em obter informações coerentes em virtude da falta de integração entre sistemas e a existência de controles paralelos.

6.5.1. Unificar dados e indicadores, tanto em termos de fontes utilizadas, quanto em método para composição da estatística.

6.6. Ausência de indicadores norteadores.

6.6.1. Selecionar, elaborar e acompanhar indicadores norteadores.

7. Diretores, Coordenadores e GAFs

7.1. Mapear Recursos Humanos à disposição da Unidade

7.1.1. Visualizar informações referentes à disponibilidade de horas do corpo docente, bem como as competências de cada colaborador.

7.1.2. Sistema de otimização para construção de grade horária de cursos regulares e FIC.

7.1.2.1. Otimizar o uso da hora de trabalho do docente.

7.2. Mapear Recursos Físicos à disposição da Unidade

7.2.1. Visualizar informações referentes à estoque de materiais e recursos e previsão de consumo ao longo do ano letivo (com base na oferta planejada).

7.2.1.1. Embasar a Estratégia de Compras e Planejamento Orçamentário.

7.3. Acesso a Análise de Mercado

7.3.1. Cenários Econômicos e como impactam a produção da Unidade.

7.3.2. Indicadores de Demanda por Capacitação Profissional (olhar prospectivo).

7.3.3. Prospecção de Novas Tecnologias, com o intuito de embasar a oferta de serviços tecnológicos e adequar grades curriculares de serviços educacionais ofertados no futuro.

7.4. Compliance

7.4.1. Visualizar, de maneira rápida e clara, contratos a vencer no curtíssimo prazo.

7.5. Indicadores de Gestão

7.5.1. Visualizar, em um ambiente interativo, indicadores financeiros, operacionais e estratégicos da unidade. Valendo-se de dados padronizados.

8. ISIs e ISTs

8.1. Falta de ferramentas para balizar o processo de Precificação (Dashboard Comparativo de Preços entre outros)

8.1.1. Implementar alguns mecanismos que permitam uma visão relativo de preços e políticas de precificação de produtos tecnológicos.

8.2. Ausência de Visão Operacional dos Processos, de modo a mensurar a capacidade de atendimento dos Institutos

8.2.1. Coletar, Tratar e Estruturar dados que permitam traçar uma visão clara da capacidade operacional de atendimento de um instituto, por produto.

8.3. Ausência de Métricas operacionais para acompanhamento de desenvolvimento de projetos.

8.3.1. Sugerir e Mensurar indicadores de acompanhamento por etapas de processo.

8.4. Indisponibilidade de informações referentes à alocação de recursos humanos e físicos.

8.4.1. Compilar dados e informações referentes à disponibilidade de recursos na rede (pessoal e ativos)

8.5. Inexistência de um sistema que agregue registros e informações laboratoriais.

8.5.1. Elaborar um sistema que armazene, de forma rápida, registros de laboratório (amostras, resultados de análise e etc..)

8.6. Falta de um mapeamento, estruturado em formato de banco de dados, sobre competências ocupacionais por produto.

8.6.1. Conhecer as competências exigidas para cada produto, bem como as disponibilidades de recursos humanos detentores dessas competências na rede.

8.7. Poucas Parcerias e acesso às Redes de PDI (Hubs)

8.7.1. Identificar instituições e parcerias do tipo "Ganha-Ganha"

8.8. Ausência de um sistema integrado de informações sobre clientes (empresas e targets - key decision maker)

8.8.1. Sistematizar informações de potenciais clientes (Target Market) bem como Key Decision Maker.