SABINE, George. Historia de la Teoria Política (El Fracasso de la Ciudade- Estado)

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Rocket clouds
SABINE, George. Historia de la Teoria Política (El Fracasso de la Ciudade- Estado) por Mind Map: SABINE, George.  Historia de la Teoria Política (El Fracasso de la Ciudade- Estado)

1. Cidade-Estado

1.1. Platão e Aristóteles expuseram a cidade-estado de forma tão completa e perfeita que não podíamos esperar que nenhum de seus sucessores pudessem realizar algum progresso nesse tema. Apesar de muito do que eles tenham falado continue a ser aplicado atualmente eles acreditavam que aquelas características seriam aplicáveis apenas a própria cidade estado.

1.2. Platão e Aristóteles se davam conta de que nenhuma cidade grega teria realizado os ideais que estavam implícitos na cidade-estado, mas apesar disso nunca duvidaram de que essa era a forma mais superior de civilização.

1.3. Quanto mais estudam acerca do sentido ético da cidade-estado mais se veem obrigados a aceitar que esse sentido existe apenas para alguns poucos e não para toda a massa do povo como tinha Pericles imaginado. Isso sugere que para aqueles com menos possibilidade de expressão e mais desfavorecidos a cidade estado representava uma sociedade que não apenas precisava de melhoras mas que também deveria ser superada. O futuro possibilitou circunstancias históricas que fortaleceram mais essa visão crítica do que o pensamento de Platão e Aristóteles.

1.4. Afirmar que para viver uma boa vida o homem tem que viver fora da cidade estado equivale a estabelecer uma escala de valores totalmente contrária a criada por Platão e Aristóteles (para este o homem que vive sem Estado é uma besta ou um Deus).

1.5. O aprofundamento e crescimento desse tipo de teoria ética é considerado a causa para o fracasso da cidade-estado.

1.6. A acepção desse Estado como instituição moral por Platão e Aristóteles significava que eles se limitavam a ele. Como consequência, não conseguiam imaginar o papel dos assuntos exteriores desempenhado na economia interna da cidade-estado.

1.7. A cidade-estado grega nunca desde muito tempo enfrentou um dilema político que nunca foi superado. Não podia alcançar a sua autarquia na economia e nem a sua política podia adotar um política de isolamento, ao mesmo tempo não podia aliar-se em causar um distanciamentos dos motivos de sua maior glória segundo Aristóteles.

1.8. As nações modernas não podem fazer aliados sem mudar pelo menos um pouco sua independência.

1.9. Como consequência, nos assuntos exteriores a cidade estado fracassou para sempre.

1.10. Apesar disso, na realidade nunca foi possível separar nas cidades estados os assuntos externos e os internos. Os interesses de classe e as obrigações democráticas eram similares de cidade em cidade.

1.11. A verdade é que os problemas sociais e políticos do mundo grego não podiam ser resolvidos pelas cidades estados. Um dos motivos para isso é que a cidade estado era muito pequena e bélica.

1.12. Fica evidente que não teve nada de acidental a existência e difusão de críticas à filosofia política de Platão e Aristóteles.