AVALIAÇÃO PSICOLOGICA

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
AVALIAÇÃO PSICOLOGICA by Mind Map: AVALIAÇÃO PSICOLOGICA

1. Definição:

1.1. Podemos definir avaliação psicológica como sendo o processo técnico científico de coleta de dados, estudos e interpretação de informações a respeito dos fenômenos psicológicos da relação do indivíduo com a sociedade. Utiliza-se, para isto, de estratégias psicológicas – métodos, técnicas e instrumentos. Os resultados das avaliações devem considerar e analisar os condicionantes históricos e sociais e seus efeitos no psiquismo, com a finalidade de servirem como instrumentos para atuar não somente sobre o indivíduo, mas em todo o contexto social e histórico no qual ele se insere.

2. Era dos testes de inteligência: (1910 a 1930).

2.1. Essa era se desenvolveu sob a influência de: a) Teste de inteligência de Binet-Simon (1905) b) Artigo de Spearman sobre o fator g (1904b); c) Revisão do teste de Binet para os Estados Unidos (Terman, 1916); e d) Impacto da primeira guerra mundial com a imposição da necessidade de seleção rápida, eficiente e universal de recrutas para o exército (os testes Army Alpha e Beta).

2.1.1. Nos anos de 1920 houve uma avalanche de novos testes, ultrapassando as centenas, dos quais muito poucos resistiram até o presente. Na bahia em 1924, isaias Alves fez a adaptação da escola binet-simon, considerada como um dos primeiros estudos de adaptação de instrumentos psicométricos no brasil.

3. Francis Galton(1880):

3.1. Seus trabalhos visavam à avaliação das aptidões humanas por meio da medida sensorial, acreditava que a partir da discriminação sensorial era possível medir o intelecto humano, foi pioneiro no uso de métodos de escalas de avaliação, questionários e técnicas de associação livre. No desenvolvimento de métodos estatísticos para análise das diferenças individuais.

3.1.1. 1884 - Francis Galton aplica a primeira bateria de teste mental para milhares de pessoa na Exposição Internacional de Saúde

4. Cattell(1890):

4.1. Desenvolveu suas medidas das diferenças individuais e da avaliação do desempenho acadêmico de crianças; ele recolheu sua experiência no Mental tests and measurements, de 1890, inaugurando, inclusive, a terminologia de mental test. Elaborou em Leipzig sua tese sobre diferenças no tempo de reação. Cattell seguiu as ideias de galton, dando ênfase as medidas sensórias, porque elas permitiam uma maior precisão.

5. Binet(1900)

5.1. Foi a década em que predominaram os interesses da avaliação das aptidões humanas visando à predição na área acadêmica e na área da saúde. Em 1905 Binet e Simon desenvolveram o primeiro teste com 30 itens com o objetivo de avaliar as mais variadas funções como julgamento, compreensão e raciocínio para detectar o nível de inteligência e retardo mental de adultos e crianças, esses testes impulsionaram a era dos testes de Q.I.

6. Análise fatorial(1930)

6.1. Já por volta de 1920, o entusiasmo com os testes de inteligência vinha caindo muito, sobretudo quando se mostrou que eles eram demasiadamente dependentes da cultura em que eram criados. Thurstone além de desenvolver a análise fatorial múltipla, atuou no desenvolvimento da escalagem psicológica e fundou, em 1936, a Sociedade Psicométrica Americana, juntamente com a revista Psychometrika, ambas dedicadas ao estudo e avanço da psicometria.

7. Sistematização(1940-1980)

7.1. Marcada por duas tendências opostas: os trabalhos de síntese e os de critica. Nas obras de síntese, temos Guilford, tentando sistematizar os avanços em psicometria até então conseguidos; Gulliksen , sistematizando a teoria clássica dos testes psicológicos; e Torgerson ,sistematizando a teoria sobre a medida escalar. Entre os trablhos da critica entram o trabalho, destaca-se Stevens(1946) que levantou o problema das escalas de medidas. Sobretudo surge a primeira grande crítica à teoria clássica dos testes na obra de Lord e Novick que iniciou o desenvolvimento de uma teoria alternativa, a teoria do traço latente, que desembocou na teoria moderna da psicometria, a Teoria de resposta ao item – TRI, mais tarde sintetizada por Lord (1980).

7.1.1. Chamar a era atual de era da TRI talvez seja inadequado, porque essa teoria, embora esteja sendo o modelo no dito primeiro mundo, ainda não resolveu todos seus Problemas fundamentais para se tornar o modelo moderno definitivo de psicometria e ela não veio para substituir toda a psicometria clássica, mas apenas partes dela.

8. A Era da psicometria moderna (teoria de resposta ao item – TRI): 1980.

8.1. Três ou quatro linhas genéricas em que os psicometristas vêm atuando: Sistematização da psicometria clássica; Sistematização e pesquisa na TRI: sistematizam esta área e mostram a quantidade de pesquisa que nela está sendo realizada; Pesquisa em uma série de áreas paralelas da psicometria: testes com referência a critério (Berk, 1984); • testes sob medida • banco de itens • equiparação dos escores; • validade dos testes (Wainer e Braun, 1988); • vieses dos testes • construção de itens

9. Stephen Petrill e Ian Deary (2001)

9.1. Organizam um número especial da revista Intelligence, dedicado à análise da correlação entre tempo de inspeção e diferenças na inteligência psicométrica.

10. Stern (1914)

10.1. Introduz o termo QI ou quociente de inteligência: a idade mental dividida pela idade cronológica.

11. Lewis Terman (1916)

11.1. Realizou a revisão da Escala de Binet-Simon e publica a Escala Stanford-Binet. Novas revisões aparecem em 1937, 1960 e 1986.

12. 1921

12.1. Publicado o Teste de Rorschach para avaliação da personalidade

13. 1938

13.1. L.L.Thurstone propõe que a inteligência consiste de aproximadamente sete grupos de fatores conhecidos como habilidades mentais primárias.

14. 1969

14.1. Arthur Jensen propõe, na revista Harvard Educational Review, a hipótese genética das diferenças em QI entre brancos e afro-americanos.

15. 1997

15.1. Robert Sternberg organiza um número especial da revista American Psychologist, dedicado à inteligência e aprendizagem por toda a vida

16. 2003

16.1. Origem do SATEPSI, O SATEPSI foi desenvolvido pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) com o objetivo de avaliar a qualidade técnico-científica de instrumentos psicológicos para uso profissional, a partir da verificação objetiva de um conjunto de requisitos técnicos e divulgar informações sobre os testes psicológicos à comunidade e às(aos) psicólogas(os).