Meios de transmissão

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
Meios de transmissão by Mind Map: Meios de transmissão

1. O que é ?

1.1. Meios de transmissão são as conexões guiadas e não guiadas entre as estações da rede. Geralmente eles diferem com relação à :

1.1.1. Tipos de conexão

1.1.1.1. Ponto-a-ponto

1.1.1.2. Multiponto

1.1.2. Limitação Geográfica

1.1.3. Atenuação característica do meio

1.1.4. Imunidade a ruído

1.1.5. Custo

1.1.6. Disponibilidade de componentes

1.1.7. Confiabilidade

2. Guiados

2.1. Meios Magnéticos

2.1.1. Uma das formas mais comuns de transporta dados de uma computador para outro é grava-los em fitas magnética ou em mídia removível (por exemplo, DVDs graváveis) e transportar fisicamente a fita ou os discos para a maquina de destino, onde eles finalmente serão lidos.

2.2. Pares Trançados

2.2.1. (STP) Screened: Malha de fios metálicos (cobre, alumínio, etc), outro tipo de blindagem.

2.2.2. (UTP) Unshielded: Sem blindagem.

2.2.3. (FTP) Foil: Fita plástica aluminizada.

2.3. Fibra Óptica

2.3.1. Multimodo

2.3.1.1. Índice Gradual

2.3.1.2. Índice Degrau

2.3.2. Monomodo

2.4. Cabo Coaxial

2.4.1. Transmissão analógica

2.4.1.1. Amplificadores espaçados de poucos quilômetros (mais próximos para frequências maiores); Largura de banda até 500 MHz;

2.4.2. Transmissão digital

2.4.2.1. Repetidores espaçados cerca de 1 km (mais próximos para frequências maiores);

3. Não Guiados

3.1. Infravermelhos

3.2. Ondas Rádio

3.3. Satélites

3.3.1. Órbitas

3.3.2. GEO

3.3.3. Iridium

3.3.4. Globalstar

3.4. Comunicações móveis

3.4.1. Sistemas celulares

3.4.2. Mobilidade

3.4.3. Suporte a diversos tipos de serviços

4. História

4.1. Antes do advento de computadores dotados com algum tipo de sistema de telecomunicação, a comunicação entre máquinas calculadoras e computadores antigos era realizada por usuários humanos através do carregamento de instruções entre eles. Em setembro de 1940, Petilson usou uma máquina de teletipo para enviar instruções para um conjunto de problemas a partir de seu Model K na Faculdade de Dartmouth em Nova Hampshire para a sua calculadora em Nova Iorque e recebeu os resultados de volta pelo mesmo meio. Conectar sistemas de saída como teletipos a computadores era um interesse na Advanced Research Projects Agency (ARPA) quando, em 1962, J. C. R. Licklider foi contratado e desenvolveu um grupo de trabalho o qual ele chamou de a "Rede Intergaláctica", um precursor da ARPANET.

4.1.1. Em 1964, pesquisadores de Dartmouth desenvolveram o Sistema de Compartilhamento de Tempo de Dartmouth para usuários distribuídos de grandes sistemas de computadores. No mesmo ano, no MIT, um grupo de pesquisa apoiado pela General Electric e Bell Labs usou um computador (DEC’s PDP-8) para rotear e gerenciar conexões telefônicas.

4.1.2. Durante a década de 1960, Leonard Kleinrock, Paul Baran e Donald Davies, de maneira independente, conceituaram e desenvolveram sistemas de redes os quais usavam datagramas ou pacotes, que podiam ser usados em uma rede de comutação de pacotes entre sistemas de computadores.

4.1.3. Em 1969, a Universidade da Califórnia em Los Angeles, SRI (em Stanford), a Universidade da Califórnia em Santa Bárbara e a Universidade de Utah foram conectadas com o início da rede ARPANET usando circuitos de 50 kbits/s.

4.1.4. Em 1972, foram implantados X.25 nos serviços comerciais e, mais tarde, usado como uma infraestrutura básica para a expansão de redes TCP/IP.

4.1.5. Em 1973, a rede francesa CYCLADES foi o primeiro a fazer os hosts responsável pela entrega confiável de dados, em vez de este ser um serviço centralizado da própria rede.

4.1.6. Em 1973, Robert Metcalfe escreveu um memorando formal na Xerox PARC, descrevendo um sistema de rede Ethernet, que foi baseada na rede Aloha, desenvolvido na década de 1960 por Norman Abramson e colegas na Universidade do Havaí.

4.1.7. Em 1976, John Murphy da Datapoint Corporation criado ARCNET, uma rede de passagem de token usada pela primeira vez para compartilhar dispositivos de armazenamento.

4.1.8. Em 1995, a velocidade de transmissão para Ethernet aumentou sua capacidade para 10 Mbit/s e 100 Mbit/s. 1998, suportado por Ethernet Gigabit, velocidades de transmissão. Posteriormente, altas velocidades de até 100 Gbit/s foram adicionadas (em 2016). A capacidade de Ethernet para escalar facilmente (como se adaptar rapidamente para suportar novas velocidades de cabo de fibra óptica) é um fator que contribui para o seu uso continuado.