Parasita Intestinal

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
Parasita Intestinal by Mind Map: Parasita Intestinal

1. Morfologia

2. Amebíase

2.1. Infecção parasitária do cólon causada pela ameba Entamoeba histolytica.

2.1.1. Em alguns casos, trofozoítas podem atingir outros órgãos, por meio da circulação sanguínea, gerando lesões necróticas principalmente no fígado, pulmão e cérebro.

2.1.1.1. A amebíase extra intestinal pode ser fatal e, por causa de sua prevalência, é considerada a terceira infecção parasitária por protozoário que mais causa óbitos no mundo, colocando-se depois apenas da doença de Chagas e da malária

2.2. Ciclo biológico

2.2.1. Começa quando o indivíduo ingere os cistos. Estes passam pelo estômago até chegarem no intestino delgado. ... Se alimentam de células intestinais, bactérias benéficas presentes nos intestinos e do bolo fecal

2.3. Transmissão

2.3.1. É transmitida ao homem através do consumo de alimentos ou água contaminados por fezes com cistos amebianos, falta de higiene domiciliar e, também, através da manipulação de alimentos por portadores desse protozoário.

2.4. Sintomas

2.4.1. Cólicas abdominais Evacuação de fezes pastosas com muco e sangue ocasional Fadiga Gases em excesso Dor retal durante evacuação (tenesmo) Perda de peso involuntária Sensibilidade abdominal Febre Vômitos

2.5. Tratamento

2.5.1. É feito por meio do uso de antiparasitários

3. Giardia lamblia

3.1. São parasitos que vivem normalmente na luz do intestino delgado na porção do duodeno e jejuno em uma série de mamíferos, incluindo o homem, no qual pode causar diarreia aguda e crônica.

3.2. Morfologia

3.2.1. Se apresenta em duas formas: cisto e trofozoíto. Trofozoíto tem o formato de uma pera, com simetria bilateral medindo 20 x 10 micrômetros. Cisto são ovais ou elipsoide, medindo de 12 x 8 micrômetros

3.3. Ciclo biológico.

3.3.1. Ingestão de cistos maduros através de água e alimentos contaminados ou transmissão direta pelas mãos (fecal-oral) Uma multiplicação obtida por divisão binária longitudinal. Onde utilizam produtos da digestão do hospedeiro para sobreviver.

3.4. Transmissão

3.4.1. Direta, pela contaminação das mãos e conseqüente ingestão de cistos existentes em dejetos de pessoa infectada; ou indireta, através de ingestão de água ou alimento contaminado.

3.5. Sintomas

3.5.1. O período de incubação pode ser de 1 a 3 semanas podendo prolongar até 6 semanas. Diarreia aquosa, às vezes com mau cheiro, que podem se alternar com fezes moles e gordurosas. Fadiga ou mal-estar. Cólicas abdominais e inchaço. Arroto com um gosto ruim. Náusea. Perda de peso.

3.6. Tratamento

3.6.1. É feito por meio do uso de antiparasitários. Higiene pessoal, lavar bem os alimentos crus.

4. Ascaridíase

4.1. É uma doença parasitária causada pelo verme nematoda Ascaris lumbricoides, também conhecido popularmente como lombriga.

4.1.1. As infecções são assintomáticas em mais de 85% dos casos, especialmente se o número de vermes for muito pequeno.

4.2. Ciclo biológico.

4.2.1. Os ovos eliminados com as fezes contêm os embriões de Ascaris em seu interior. Após alguns dias, ainda dentro do ovo, o embrião transforma-se em larva, que após passar por duas mudas, pode infectar quem a ingerir.

4.3. Morfologia

4.3.1. Macho: Tamanho - 20 a 30 cm. Cor leitosa, boca trilabiada e cauda curva. Fêmea: Tamanho - 30 a 40 cm. Cor leitosa, mais grossa que o macho e boca trilabiada.

4.4. Sintomas

4.4.1. Dor abdominal Eosinofilia Irritabilidade Alternância e diarreia e constipação; Reações alérgicas (asma); Síndrome de Loeffler: Febre e tosse

4.5. Transmissão

4.5.1. Através da ingestão dos ovos do verme presentes no solo, água ou alimentos contaminados com fezes humanas infectadas.

4.6. Tratamento

4.6.1. Pode ser feito facilmente, quando o parasita apenas está presente no intestino, com o uso de remédios antiparasitários, por 1 a 3 dias, como: Albendazol; Ivermectina; Mebendazol.

5. Ancilostomiase

5.1. Conhecida também como amarelão referem-se a verminose humana causada por duas espécies de nematelmintos, o Ancylostoma duodenale e o Necator americanus.

5.2. Ciclo biológico

5.2.1. As formas adultas dos vermes vivem no intestino delgado da pessoa infectada, onde machos e fêmeas copulam e dão origem aos ovos que são eliminados com as fezes.

5.3. Morfologia

5.3.1. Estes vermes são pequenos e medem aproximadamente 1 cm a 1,5 cm de comprimento.

5.4. Sintomas

5.4.1. Irritação na pele, no local de entrada do verme no corpo, fraqueza, desânimo, perda de peso e lesões pulmonares

5.5. Transmissão

5.5.1. As larvas dos vermes liberadas através das fezes humanas podem entrar em contato com o solo. Assim, a transmissão pode ocorrer através do contato direto das larvas com a pele humana, principalmente na região dos pés, pernas, nádegas e mãos.

5.6. Tratamento

5.6.1. É feito por meio do uso de antiparasitários. Higiene pessoal, uso de calcado em locais contaminados.

6. Enterobíase ou Oxiuríase

6.1. É uma verminose que atinge o mundo todo e é causada pelo nematódeo Enterobius vermiculares, a partir da eliminação dos ovos pela fêmea.

6.2. Morfologia

6.2.1. As larvas podem ter de 2 a 13 milímetros de comprimento quando adultas, sendo que o macho é sempre maior que a fêmea.

6.3. Ciclo biológico

6.3.1. Tem início na ingestão do ovo pela pessoa. Ao ser ingerido, ele segue até o intestino delgado. Quando alocados no órgão, as larvas eclodem e seguem para o ceco, local utilizado para reprodução.

6.4. Transmissão

6.4.1. Acontece por falta de medidas e ações de higiene, sendo muito comum em crianças. Existem três formas diferentes de transmissão da doença. Transmissão de forma direta: quando a pessoa leva o parasita do ânus até a boca, por não lavar as mãos adequadamente. Transmissão de forma indireta: é quando a água ou alimento ingerido estão infectados, ou ainda quando uma pessoa que está com os ovos do verme na mão cumprimenta outra pessoa. Além disso, em locais em que o saneamento básico é precário ou que existe pouca higiene, os ovos podem ser encontrados nas roupas, aumentando também esta forma de transmissão. Transmissão por retro-infestação: é quando as larvas eclodem da região anal e migram para o ceco, contribuindo assim para que o ciclo reinicie no organismo da pessoa.

6.5. Sintomas

6.5.1. Dor na barriga; Vômito; Diarreia; Enjoo; Cólica intestinal; Sangue nas fezes. No caso das mulheres, é possível o surgimento de vaginites devido a proximidade da vagina com o ânus.

6.6. Tratamento

6.6.1. Deve ser feito com ingestão oral de vermífugos prescritos por orientação médica, bem como higienização do ambiente e cuidados pessoais.

7. Teníase

7.1. É uma verminose provocada pela forma adulta dos platelmintos Taenia solium e Taenia saginata (tênia).

7.2. Ciclo biológico

7.3. Os ovos da tênia são eliminados pelas fezes de seres humanos contaminados. Desse modo, podem contaminar o solo, a água e os alimentos; Os ovos da túria podem ser ingeridos pelos hospedeiros intermediários. Nenhum caso, o porco ou o boi; No ovos dos hospedeiros intermediários, os ovos transformam-se em larvas que se alojam nos tecidos; O homem pode se contaminar ao consumir carne de porco ou boi contaminada por larvas; As larvas a ser consumidas pelo homem, alojam-se no intestino delgado e evoluem para a forma adulta, causando uma diminuição; Um ser humano infectado pode eliminar milhões de ovos livres nas fezes, os quais pode sobreviver no ambiente por vários meses.

7.4. Transmissão

7.4.1. Ocorre através do consumo de carne crua ou mal cozida. A carne nessas condições pode conter os cisticercos