Pancreatite Aguda

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
Pancreatite Aguda by Mind Map: Pancreatite Aguda

1. Fatores etiológicos:

1.1. Colelitíase

1.1.1. Causa mais comum. Risco maior nos casos de cálculos pequenos (menores que 5mm)

1.1.2. Cálculos biliares podem obstruir o ducto biliar e impedir a eliminação das enzimas pancreáticas

1.2. Álcool

1.2.1. Causa mais comum da forma crônica

1.3. Hipertrigliceridemia

1.3.1. Nível sérico acima de 1000mg/dl

1.4. Pós colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE)

1.4.1. Complicação após exame. Ocorre em 5% dos pacientes submetidos ao exame

1.5. Drogas

1.5.1. Sulfasalazina, azatioprina, 6-mercaptopurina, metronidazol, tetraciclina, pentamidina, ácido valproico, DDI, tiazidicos, tamoxifeno

1.6. Hereditária ou Genética

1.6.1. Mutações do gene PRSS1: conversão prematura do tripsinogênio e autodigestão pancreática

1.6.2. Gene SPINK1 e Gene da fibrose cística (CFTR)

2. Apresentação clínica:

2.1. Dor abdominal (95% dos pacientes) acompanhada de náuseas e vômitos (90% dos casos)

2.2. Dor aguda, de instalação súbita, sem pródromos. Localizada na porção superior do abdome, com irradiação dorsal e de intensidade moderada a forte.

3. Exame físico:

3.1. Dor em hipocôndrio direito e/ou epigástrio com defesa muscular (raramente com descompressão dolorosa)

3.2. Distensão abdominal e diminuição da peristalse

3.3. Taquicardia e hipotensão variáveis são decorrente da hipovolemia

4. Exames laboratoriais:

4.1. Leucocitose e hiperglicemia moderada - resultado da resposta inflamatória sistêmica

4.2. Elevação discreta das transaminases

4.3. Dosagens de amilase e lipase séricas

4.3.1. AMILASE elevada: alta sensibilidade, pouco específica. Pode estar normal em diagnóstico tardio, hipertrigliceridemia e surtos de agudização de pancreatite crônica

4.3.2. LIPASE elevada: alta sensibilidade e especificidade. Mantém-se elevado por vários dias. - Principal exame laboratorial para o diagnóstico

5. Exames radiológicos:

5.1. Tomografia computadorizada helicoidal

5.1.1. Confirmação do diagnóstico, diagnóstico de complicações e avaliação prognóstica

5.1.2. Aumento pancreático difuso, densificação dos planos adiposos peripancreáticos e acúmulo de líquidos

5.2. Colangiopancreatografia por RM

5.2.1. Indicações: icterícia ou suspeita de coledocolitíase

5.2.2. Método não invasivo de exploração dos ductos biliares e pâncreas

5.3. Ultrassonografia endoscópica

6. Diagnóstico:

6.1. Dor abdominal aguda, severa e epigástrica com radiação para as costas

6.2. Níveis de lipase ou amilase aumentado no mínimo 3x

6.3. Achados tomográficos compatíveis com pancreatite: TC, RM e ultrassonografia transabdominal

7. Classificação:

7.1. Pancreatite edematosa intersticial

7.1.1. Aumento difuso do pâncreas devido a edema inflamatório

7.1.2. Densificação da gordura peripancreática

7.1.3. Acúmulo de líquidos peripancreáticos

7.2. Pancreatite necrotizante

7.2.1. 5 a 10% dos pacientes desenvolvem necrose

7.2.2. Mortalidade: 27 a 86%

8. Tratamento:

8.1. Clínico: hospitalização, jejum, medicação para dor (morfina), hidratação venosa

8.2. Cirúrgico: desobstrução do ducto biliar, colecistectomia, cirurgia do pâncreas

8.3. Complementar: tratamento da dependência do álcool, enzimas digestivas sintéticas se o pâncreas não produzir mais, dieta com baixo conteúdo de gordura

9. Complicações

9.1. Pseudocisto

9.2. Infecção - pancreatite necrotizante infectada

9.3. Disfunção pulmonar

9.4. Diabetes

9.5. Falência renal

9.6. Desnutrição, diarreia e perda de peso

9.7. Tumor de pâncreas