Cronistas do Descobrimento

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Cronistas do Descobrimento por Mind Map: Cronistas do Descobrimento

1. Origens da literatura brasileira e conceitos básicos de literatura

2. 1500 - "Achamento do Brasil" Brasil selvagem surge na literatura através da cosmovisão lusitana: a Carta de Pero Vaz de Caminha. - O desvelar do Brasil selvagem afeta o conceito de mundo dos europeus.

3. Nem crônicas, nem memórias, pois não resultavam de nenhuma intenção literária: os escritos dos cronistas e viajantes eram uma tentativa de descrever e catalogar a terra e o povo recém-descobertos.

4. Entretanto, permeava-os a fantasia de seus autores, exploradores europeus que filtravam fatos e dados, acrescentando-lhes elementos mágicos e características muitas vezes fantásticas.

5. LITERATURA DE INFORMAÇÃO: Literatura de Informação, de Expansão, Quinhentismo; Cultivada por Portugal na época das grandes navegações; narrar e descrever as viagens e os primeiros contatos com a terra brasileira e seus nativos.

6. Carta de achamento do Brasil Pero Vaz de Caminha • Gênero: Carta • Relatando ao rei de Portugal o descobrimento, o escrivão da armada de Cabral descreve, deslumbrado, a terra e seus habitantes, registrando as emoções do primeiro contato com os índios.

7. Diário de Navegação Pero Lopes de Sousa • Gênero: Crônica (Relato) • Verdadeira crônica dos primeiros fatos da história do Brasil, escrita no calor da hora, este texto documenta o dia a dia da expedição comandada por Martim Afonso de Sousa, de quem o autor era irmão.

8. Carta e diálogo sobre a convenção do gentio Manuel da Nóbrega • Gênero: Carta e Diálogo • Na primeira carta que escreve do Brasil, o jesuíta relata o trabalho dos padres da Companhia, dando assistência religiosa aos colonizadores e buscando catequizar os índios. • Em forma de diálogo, Nóbrega discute aspectos práticos, morais e religiosos da relação entre os colonizadores e os índios, defendendo a tese de que estes não devem ser escravizados, pois têm alma como os cristãos.

9. “A Santa Inês” e Carta José de Anchieta • Gênero: poema e carta • Os textos poéticos têm a simplicidade de um autor que pretende transmitir sua fé, utilizando a poesia como recurso didático. Inês foi uma jovem romana, decapitada por ter se recusado a perder a virgindade. Símbolo e guardiã da castidade cristã. • Riquíssima fonte de informações sobre o trabalho dos jesuítas no Brasil, as cartas de Anchieta primam pela objetividade e pela abrangência dos aspectos da vida colonial que apresentam.

10. Tratado descritivo do Brasil em 1587 Gabriel Soares de Sousa • Gênero: Tratado • Para alertar o rei de Portugal sobre as diversas possibilidades econômicas da Colônia, o autor redige um texto de caráter enciclopédico, focalizando desde aspectos políticos e administrativos, até a exuberância da natureza e dos nativos.

11. Viagem ao Brasil Hans Staden • Gênero: Relato • Narra a chegada do viajante ao país e sua captura pelos índios, descrevendo, com precisão etnográfica, os nativos e seu modo de vida.

12. História da província de Santa Cruz Pero de Magalhães Gândavo • Estudioso de gramática e amigo de Camões, foi o primeiro historiador do Brasil. Sua obra apresenta um abrangente panorama da vida na Colônia, que expõe com empenho propagandista.

13. Tratados da terra e gente do Brasil Fernão Cardim • Gênero: Tratado • Em verbetes informativos sobre a fauna, a flora e os habitantes do Brasil, os tratados desse jesuíta revelam planejamento e organização metodológica para traçar um painel completo da Colônia.