Atividade Adaptativa

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Atividade Adaptativa por Mind Map: Atividade Adaptativa

1. Respiração celular

1.1. É o processo de quebra de glicose para produzir ATP na presença de oxigênio.

1.2. Esse processo é dividido em três etapas: a glicólise, o ciclo de Krebs e a fosforilação oxidativa.

1.2.1. A glicose ocorre no citosol, é um processo anaeróbico que consiste em 10 reações que ocorrem em duas etapas: fase de ativação e a fase de rendimento

1.2.1.1. Na fase de ativação, ocorre a fosforilação da glicose, que, após receber fosfato proveniente de duas moléculas de ATP, torna-se quimicamente ativa.

1.2.1.2. Na fase de rendimento, ocorre a oxidação da glicose. A energia liberada nesse processo é utilizada para a produção de quatro moléculas de ATP. Os elétrons liberados na oxidação da glicose levam à redução de NAD+ em NADH.

1.2.2. No ciclo de Krebs ocorre a oxidação completa da glicose. Com o oxigênio presente, as moléculas de piruvato adentram as mitocôndrias, em seguida, passam por 3 etapas para a formação do acetil coenzima-A.

1.2.2.1. Na primeira etapa ocorre a remoção e a liberação do grupo carboxila do piruvato na forma de CO₂.

1.2.2.2. Na segunda etapa, ocorre a formação de acetato e os elétrons liberados ligam-se ao NAD+, ficando armazenados na forma de energia em NADH.

1.2.2.3. Na terceira fase, o acetato liga-se à coenzima A

1.2.2.4. Em seguida de todas as 3 etapas, o ciclo de Krebs começa, onde se tem a oxidação completa da glicose através de oito etapas. O acetil-CoA reage com o oxalacetato, formando o citrato. A seguir ocorrerão reações que levarão à degradação do citrato, dois dos seis carbonos são removidos e oxidados a CO₂, formando novamente oxaloacetato. O oxaloacetato reagirá com outro acetil-CoA, iniciando novamente o ciclo.

1.2.2.4.1. Para cada acetil-CoA, 3 NAD+ são reduzidos a NADH. Os elétrons são transferidos ao FAD, formando FADH₂. Nessa etapa também pode ser formado GTP por fosforilação. Além disso, também é formada uma molécula de ATP. O saldo final desse ciclo é: 6 NADH, 2 FADH₂ e 2 ATP.

1.2.3. Na fosforilação oxidativa as moléculas NADH e FADH₂, transportadoras de elétrons produzidas no ciclo de ácido cítrico, doarão elétrons para a cadeia de transporte de elétrons ou cadeia respiratória. Na cadeia, a transferência de elétrons acontece através de uma série de transportadores, como algumas proteínas, por exemplo, os citocromos. Esses elétrons vão perdendo energia em cada etapa da cadeia, sendo captados pelo oxigênio, aceptor final, reduzindo-os a H₂0.

1.2.3.1. O transporte de elétrons pela cadeia na membrana interna da mitocôndria também leva a um transporte ativo de prótons na cadeia. Esses irão para à matriz da mitocôndria e, simultaneamente, por meio da fosforilação oxidativa do ADP, será formado ATP. Ao final de todo o processo de respiração celular, terão sido produzidos, no máximo, 38 ATP.

1.3. O processo de respiração celular ocorre nas mitocôndrias.

2. Fotossíntese

2.1. É um processo que utiliza dióxido de carbono e água, para obter glicose através da energia da luz solar.

2.2. É realizado por plantas, alguns protistas, bactérias fotossintetizantes e cianobactérias.

2.3. Ocorre no interior dos cloroplastos (eucariontes) ou no citoplasma (procariontes)

2.4. Pode ser dividida em 2 etapas

2.4.1. Etapa fotoquímica (fase clara)

2.4.1.1. Ocorre nos tilacoides do cloroplastos

2.4.1.2. Há participação da energia luminosa

2.4.1.3. Fotólise da água (libera O2 e H+)

2.4.1.4. Fotofosforilação

2.4.1.4.1. Cíclica

2.4.1.4.2. Acíclica

2.4.2. Etapa química (fase escura)

2.4.2.1. Ocorre no estroma dos cloroplastos

2.4.2.2. Não há participação direta da energia luminosa

2.4.2.3. A energia química gerada na etapa fotoquímica é usada para incorporar carbono em moléculas orgânicas, em formas apropriadas para armazenamento e transporte, através de Ciclo de Calvin Durante o ciclo, moléculas de CO2 unem-se umas as outras formando cadeias carbônicas. A energia necessária para o estabelecimento das ligações químicas ricas em energia é proveniente do ATP e os hidrogênio que promoverão a redução dos CO2 são fornecidos pelos NADPH2. O produto imediato do ciclo é o gliceraldeído-fosfato (PGAL).

2.4.2.3.1. O que vai para o citosol pode ser convertido em glicose e usado diretamente a respiração celular. O que não é usado na respiração é convertido em sacarose por meio de uma série de reações.

3. Quimiossíntese

3.1. É um processo que utiliza energia da oxidação de substâncias inorgânicas para síntese de compostos orgânicos.

3.1.1. Realizado por algumas bactérias

3.1.1.1. Ferrobactérias

3.1.1.1.1. oxida compostos de ferro

3.1.1.2. Nitrobactérias

3.1.1.2.1. oxida íons amônio ou íons nitrito

3.1.1.3. Sulfobactérias

3.1.1.3.1. oxida sulfeto de hidrogênio

4. Fermentação

4.1. É um processo anaeróbio de síntese de ATP e não envolve cadeia respiratória, apenas o processo de glicólise.

4.1.1. O aceptor final de hidrogênios é um composto orgânico.

4.1.2. Lática

4.1.2.1. O piruvato é transformado em ácido lático sem liberação de CO2. É realizada por algumas bactérias, alguns protozoários, fungos e por células do tecido muscular humano.

4.1.2.2. A indústria alimentícia emprega a atividade de fermentação lática das bactérias na produção de queijos, coalhadas e iogurtes.

4.1.3. Alcoólica

4.1.3.1. O piruvato é transformado em álcool etílico com liberação de CO2. É realizada principalmente por bactérias e leveduras.

4.1.3.2. A atividade da fermentação alcoólica pode ser usada para produzir bebidas alcoólicas, como o levedo da espécie Saccharomyces cerevisae, e na fabricação do pão.

4.1.4. O saldo final é de 2 moléculas de ATP

4.2. Baixo saldo de ATP