O Ciclo do Café no Brasil - aspectos do trabalho (Trabalho Escravo, Direito ao Trabalho)

trabalho de história

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O Ciclo do Café no Brasil - aspectos do trabalho (Trabalho Escravo, Direito ao Trabalho) por Mind Map: O Ciclo do Café no Brasil - aspectos do trabalho (Trabalho Escravo, Direito ao Trabalho)

1. Mão de Obra: O ciclo do café sofreu com a carência de mão de obra. O sistema de parceria com os primeiros colonos imigrantes fracassou.

2. Pela dificuldade de adquirir escravos, pois estava muito caro, a unica solução que eles arranjaram foi a forma de trabalho livre (funcionava por meio do regime de parcerias):

2.1. Nessa forma de trabalho, o proprietário cede a terra e o "meeiro" (o empregado por esse sistema) realiza o trabalho, sendo o produto final dividido entre os dois, meio a meio.

2.1.1. O meeiro, com sua metade, deve ainda pagar suas despesas com roupas, alimentos e entre outros obtidos do patrão. Sendo assim sobrava-lhe muito pouco.

3. Só a partir da década de 1870, com o trabalho assalariado e a imigração custeada pelo poder público, o novo sistema foi a solução para a lavoura paulista.

4. A abolição da escravatura em 1888, gerou grande crise nas zonas cafeeiras mais antigas

4.1. a da Baixada Fluminense e a do Vale do Paraíba, enquanto na zona oeste de São Paulo a crise não era sentida.

5. o exportações de café determinou um impressionante aumento no tráfico negreiro. Contudo, na metade do século XIX, esse episódio se interrompeu com a proibição do tráfico negreiro.

6. o Nesse novo contexto, observamos que muitos cafeicultores buscaram pelo sistema de parceria, o uso da mão de obra de imigrantes europeus interessados pela atividade agrícola

7. podemos perceber que o sistema de parceria não determinou o fim do antigo hábito que os proprietários de terra tinham em explorar a força de trabalho de seus empregados.

7.1. Nesse caso, a recompensa material cedida pelo cafeicultor no sistema de parceria era muito pequena se entendermos que o fazendeiro acabava se aproveitando do trabalho de toda uma família de imigrantes.

8. o aqui um pouco sobre os direitos dos trabalhadores estrangeiros: Os colonos recebiam um pagamento fixo pelo cultivo dos pés de café e um pagamento variável pela quantidade de frutos colhidos. Além disso, podiam produzir alimentos para sustento próprio nas fazendas e vender o excedente.

8.1. O Brasil recebeu 30 mil imigrantes só em 1886, nos anos seguintes essa média foi crescendo e chegou a mais de 130 mil.

8.2. O pagamento de um ano era dividido entre os meses e distribuído no primeiro sábado de cada mês, tornando-o um dia de folga para compras e visitas.

9. Alunas: Giovanna, Maria Luiza, Maria Isabel e Lorena